Nossos parceiros do prazer


Havia uma lenda que existia uma bruxa no topo mais alto das montanhas geladas que fazia com que os homens entendessem a essência sexual da alma feminina. Mostrava aos homens como tratar uma mulher na cama, mostrava como fazer do simples ato de fazer sexo uma experiência divinamente inesquecível.

Essa bruxa tinha uma beleza fascinante, seu olhar era penetrante, seus cabelos brilhavam pela cor negra, sua pele era macia, seu corpo parecia ter sido esculpido cuidadosamente por mãos habilidosas, seus pés e suas mãos possuiam a maravilhosa delicadeza feminina. Essa bruxa era o desejo de qualquer homem, todos a desejavam.

Apesar de tantas qualidades e de ser desejada por tantos homens, nem todos ousavam se aproximar dela, pois ela tinha um terrível hábito de transformar homens em sapos e jogá-los em uma região cheio de cobras peçonhentas, além de que para encontrá-la era necessário andar dias na floresta para alcançar o topo mais alto da montanha.

Diziam que essa bruxa possuia apenas 1 regra para poder oferecer ao homem que a procurasse todos os ensinamentos milenares que o transformaria no melhor amante que uma mulher poderia ter.

Apesar da aparente facilidade nunca ninguém soube qual era , pois todos os homens que ousaram subir a montanha para se encontrar com a bruxa, jamais voltaram.

Até que um certo dia um homem chamado Carlos Eros resolveu desvendar os segredos dessa bruxa e enfrentou todos os grandes desafios da montanha gelada para encontrá-la. Eros era um homem reservado, possuia uma beleza rústica e peculiar, em todos os lugares que ia marcava presença pelo seu jeito confiante, era um homem respeitado na cidade por sua honra e dignidade.

Ao chegar ao topo da montanha se deparou com uma casa cheia de luxo e uma grande porta de madeira. Não pensou duas vezes e empurrou a porta com força, foi então que ela se abriu e logo a sua frente sentada em uma cadeira feita de ouro e diamante encontrava-se a bruxa.

Eros foi se aproximando com olhar sempre atento, pois sabia que estava em um lugar pouco amigável. Ao chegar uns 10m da bruxa ela diz:

- O que veio fazer aqui tão distante da sua cidade jovem ousado?
- Vim conhecer a tão famosa bruxa, cuja fama é de sumir com os homens que a visitam.
- Se é essa fama que possuo o que te fez vir aqui? Não tem medo que eu te faça sumir como fiz com os outros?
- Estou aqui pelo que dizem que você é capaz de fazer. Quero conhecer mais sobre a sexualidade das mulheres.
- Muito bem meu jovem. Se é isso que você quer é isso que terá ! Você sabe que possuo apenas 1 regra e partir do momento que aceitar conhecê-la você não poderá mais sair ileso até que você a cumpra em sua plenitude.
- Entendo perfeitamente isso. Estou disposto a qualquer sacrifício.

Ao terminar de falar a grande porta de madeira se fecha batendo fortemente contra a parede.

- Muito bem jovem ousado. A partir de agora você fará tudo que eu mandar sem hesitar, caso contrário você será mais um desaparecido. E tem mais uma coisa, você precisa me fazer gozar como eu nunca gozei antes.

Com sua varinha mágica a bruxa traz Eros para bem perto dela e o faz ficar de joelhos. Também com a mágica da varinha troca de roupa, vestindo apenas um vestido de seda preto, sandália de salto alto, uma calcinha de renda preta, unhas pintadas de vermelho, olhos bem delineados, batom suave e possuia no seu braço esquerdo uma pulseira em formato de cobra.

A bruxa diz para Eros com uma voz firme e um olhar penetrante:

- O que você está esperando venha beijar meus pés.

A bruxa abre as pernas mostrando sua calcinha e estica seus pés para serem beijados por Eros. Eros não apreciava muito essa idéia, pois nunca tinha sido submisso a uma mulher antes. A bruxa sabia disso e procurava provocá-lo ao máximo.

Eros começou a beijar seus pés passando sua língua nos seus dedos, no calcanhar e conforme beijava, tirava a sandália deixando os delicados pés da bruxa livres para serem totalmente explorados.

Ao terminar de beijar um dos pés Eros foi para o outro, só que dessa vez olhou diretamente nos olhos da bruxa, massageou a planta do pé é lambeu seus dedos, foi lambendo, beijando até chegar perto das suas pernas. Eros via o rosto de prazer da bruxa, sabia que ela estava gostando de ser cuidadosamente explorada.

Num ato subto a bruxa o empurrou com os pés, que caiu sentado no chão. A bruxa olhou para ele pisando levemente descalça entre suas pernas e disse:

- Muito bom para o início. Vamos ver no que você é capaz de fazer.

A bruxa usando novamente sua varinha mágica os levou para um quarto com uma cama enorme, iluminada a luz de velas, vinho e algemas.

A bruxa estava na beirada da cama com as pernas abertas olhando para Eros. A bruxa se serviu com uma taça de vinho, mergulhou um dos dedos no vinho e o lambeu.

- Eros esse vinho está um delícia ! Por que não vem provar comigo?

Eros andou até a bruxa até que ela o parou pondo um dos seus pés entre suas pernas.

- Não tão rápido jovem ousado. Eu bebo na taça, mas você vai beber aqui.

A bruxa apontou para sua calcinha levantou um pouco o vestido e jogou vinho sobre ela, dexando-a toda molhada com o sabor ácido de um belo vinho tinto.

Eros então abriu mais as pernas dela se aproximou da sua calcinha e sentiu a temperatura do seu corpo aumentar. Começou a sentir o cheiro do vinho e o perfume da sua pele. Sem exitar Eros lambeu cada pedaço daquela calcinha. Ele colocava a língua como se quisesse furá-la, lambia a virilha em busca dos lábios, foi então que ele começou a querer explorar o corpo da bruxa com as mãos, queria apertar sua bunda, afastar sua calcinha, mas a bruxa rapidamente recuou e disse:

- Sua ousadia é grande meu jovem. Eu disse que era apenas para beber o vinho e não para usar as mãos. Você agora vai ter que aprender uma lição !

A bruxa com a sua varinha mágica derrubou-o na cama e algemou Eros com as mãos para trás deixando-o imobilizado. A bruxa com um sorriso malicioso abriu suas pernas e ficou em pé sobre sua boca e disse:

- Agora você vai ver como é que se faz para beber vinho.

A bruxa pegou novamente a taça e jogou sobre sua calcinha, deixando as gotas cairem sobre a boca de Eros. Ele as bebia, afinal não tinha outra escolha a não ser fazer o que ela queria. A bruxa então se ajoelhou em sua boca fazendo com que ele bebesse o vinho usando apenas a língua. Eros lambia com vontade toda sua extensão como se quisesse secá-la, ele desejava que aquela calcinha desaparecesse e que pudesse finalmente sentir o real o gosto daquela bruxa dominadora.

A bruxa empurrava a boca de Eros contra sua calcinha, ela estava adorando a sensação da sua língua quente no tecido molhado. Quando a bruxa achou que já era o bastante se levantou e olhou bem para os olhos de Eros e disse:

- Você quer minha buceta, não quer? Quer sentir meu gosto, meu cheiro...
- Só que você não vai ter, até eu achar que merece.

A bruxa tirou sua calcinha molhada, cheirou e disse:

- Adoro o meu cheiro misturado com vinho e a sua boca, acho que você quer sentir isso também.

A bruxa ficou de joelhos ao lado de Eros e o puxou pela nuca, deixando-o bem perto da sua buceta. Ela então pegou a calcinha e colocou na sua boca quase que sufocando, ele respirava apenas pelo nariz e olhava a buceta dela bem de perto.

- O que foi Eros. Gosta do que vê?

Ela olhando para ele abre a buceta e começa a se exibir, se masturbava lentamente, enfiava um dedo mostrando como estava molhada. Ela se excitava ao máximo em ver um homem como Eros naquela situação. A bruxa decide provoca-lo ainda mais, tira a calcinha da sua boca, enfia dois dentro na sua buceta e manda Eros chupar.

- E então Eros. O que você acha do meu gosto? Não era isso que você estava querendo?

Eros chupou seus dedos com vontade, mas ao mesmo tempo que fazia o que a bruxa mandava ele pensava numa forma de reverter esse jogo. A bruxa com ar de superior pegunta para ele:

- E então Eros você não tem nada a me dizer? Vai ficar calado o tempo todo?
- Lembre-se que você tem que me fazer gozar.

Eros então responde a pergunta:

- Eu sei que preciso fazer você gozar, mas eu conseguiria com muito mais facilidade se você soltasse minhas mãos.

A bruxa exita um pouco, mas faz o que Eros sugeriu e com um movimento da varinha soltou as algemas, deixando-o livre novamente.

- Lembre também que você tem que fazer o que eu mandar. Senão vai ser algemado novamente.

Eros concorda com a cabeça, espera a nova ordem, e continua pensando numa forma de roubar aquela varinha. Ele sabia que todo o poder da bruxa estava nela. E se ele conseguisse pegá-la o jogo seria outro.

A bruxa então deita-se na cama com as pernas abertas, abre seus lábios e ordena:

- Venha Eros mostre o que você é capaz de fazer com a sua boca. Dessa vez pode usar suas mãos. Vamos ver se você é tão bom como me parece.

Eros começa a beijar os pés da bruxa como havia feito no início, pois sabia que ela gostava disso. Tudo isso era um jogo ele tinha que apostar no que achava que era mais prazeroso para ela.

Ele beija cada pedaço dos seus pés sempre olhando para seus olhos,beija seus dedos, acaricia a planta do pé com as mãos, morde levemente o calcanhar, ele vai subindo com a boca beijando cada pedaço do seu corpo, com as mãos ele sobe até as suas coxas e depois desce novamente massageando suas pernas. Agora ele faz o mesmo com o outro pé, ele quer que ela sinta que está sendo desejada ao máximo, que ela confie nele nem que seja por um segundo e esqueça que está jogando.

Ele continua beijando sua pele, sobe até suas pernas, lambe com intensidade e morde levemente seu corpo. Ele sobe mais e vai chegando as suas coxas sempre olhando para seus olhos vendo sua reação, ele resolve ousar um pouco mais e subir com sua mão até seus seios. A bruxa então o assusta pegando sua mão e apertando-a com força, ele pensou que viriam novamente as algemas, mas a reação dela foi outra. Ela gemeu de prazer sentindo todo seu empenho em fazê-la gozar.

Se sentindo mais confiante Eros vai até sua virilha e começa a lambê-la, finalmente ele está perto de sentir o gosto tão desejado. Quando ele está perto de chegar na sua buceta a bruxa o empurra para baixo e diz:

- Você está muito vestido ! Precisa tirar essa roupa toda.

E com um rápido movimento ela o despe completamente, deixando nu um corpo forte e másculo.

Nesse momento ele percebe que precisa tirar a varinha das mãos dela de qualquer jeito, caso contrário, ele estará sempre submisso as suas vontades.

Já totalmente nu Eros se ajeita novamente entre as pernas da bruxa e começa finalmente a chupá-la. Ele abre seus lábios, passa a língua neles alternando entre lambidas delicadas e intensas (ele precisa descobrir como ela gosta), chupa o clitóris da bruxa ao mesmo tempo que enfia um dedo dentro dela. A bruxa começa a se contorcer puxando sua boca em direção a buceta, ela gosta de mais intensidade ela quer sentir a língua de Eros dentro dela.

Ele percebe que ela está se deixando levar e tenta colocá-la de lado, mas ela não aceita.

- O que pensa que está fazendo?
- Estou fazendo o que eu prometi. Vou chupá-la e fazer você gozar. Mas para isso você tem que me deixar fazer o que acho que possa te dar prazer.
- Você esqueceu que você só vai fazer o que eu mandar? E eu não mandei você me virar de lado.
- Você tem toda razão. Você não mandou, mas bem que poderia mandar, pois tenho certeza que você vai adorar ser chupada do jeito que eu vou fazer.

Ela pensa um pouco e deixa Eros fazer o que deseja. Eros sem perder tempo a coloca de lado com as pernas bem separadas deixando sua buceta e seu cuzinho totalmente vulneráveis. Eros então começa a chupar sua buceta de ladinho abrindo seus lábios com a língua ao mesmo tempo que lambia seu cuzinho.

Ele queria explorar cada pedaço do corpo da bruxa, queria que ela se desligasse de tudo e pensasse apenas na língua que percorria seu corpo. Juntamente com o movimento da língua Eros apertava sua bunda com uma das mãos e a outra masturbava a bruxa. Ela se contorcia sentido o seu toque e a língua no seu corpo, Eros percebendo que ela gostava de intensidade foi subindo com a boca pelas suas costas enfiando fundo um dedo dentro da sua buceta, mordia suas costas e com seu peso foi colocando-a de bruços e sem perceber a bruxa soltou sua varinha enquanto buscava apertar os lençois.

Eros viu que a varinha estava solta e não perdeu tempo em ir pegá-la, mas ele não acabou com o jogo naquele momento ele quis continuar. Eros chegou bem perto do seu ouvido, puxou forte seus cabelos e disse:

- O que você quer que eu faça com você agora?
- Quero que você pare de puxar meu cabelo antes que você se arrependa.
- E se eu não quiser soltar? E se eu quiser puxar com mais força?

Ela confiante tentou pegar a varinha, mas para seu desespero não achou. Então foi quando Eros disse:

- É isso que você está procurando sua bruxa dominadora? Que tal a gente inverter um pouco o jogo.
- Eu sei que você sem sua varinha não passa de uma mulher normal.
- Pode ficar tranquila que eu vou fazer você gozar sim conforme sua regras, mas agora vai ser do meu jeito !

Sem nunca ter se visto numa situação como essa, fez uma expressão de desespero enquanto ao mesmo tempo Eros puxava seus cabelos e enfiava fundo seu pau dentro dela...

Continuação...

A bruxa da alma feminina


Havia uma lenda que existia uma bruxa no topo mais alto das montanhas geladas que fazia com que os homens entendessem a essência sexual da alma feminina. Mostrava aos homens como tratar uma mulher na cama, mostrava como fazer do simples ato de fazer sexo uma experiência divinamente inesquecível.

Essa bruxa tinha uma beleza fascinante, seu olhar era penetrante, seus cabelos brilhavam pela cor negra, sua pele era macia, seu corpo parecia ter sido esculpido cuidadosamente por mãos habilidosas, seus pés e suas mãos possuiam a maravilhosa delicadeza feminina. Essa bruxa era o desejo de qualquer homem, todos a desejavam.

Apesar de tantas qualidades e de ser desejada por tantos homens, nem todos ousavam se aproximar dela, pois ela tinha um terrível hábito de transformar homens em sapos e jogá-los em uma região cheio de cobras peçonhentas, além de que para encontrá-la era necessário andar dias na floresta para alcançar o topo mais alto da montanha.

Diziam que essa bruxa possuia apenas 1 regra para poder oferecer ao homem que a procurasse todos os ensinamentos milenares que o transformaria no melhor amante que uma mulher poderia ter.

Apesar da aparente facilidade nunca ninguém soube qual era , pois todos os homens que ousaram subir a montanha para se encontrar com a bruxa, jamais voltaram.

Até que um certo dia um homem chamado Carlos Eros resolveu desvendar os segredos dessa bruxa e enfrentou todos os grandes desafios da montanha gelada para encontrá-la. Eros era um homem reservado, possuia uma beleza rústica e peculiar, em todos os lugares que ia marcava presença pelo seu jeito confiante, era um homem respeitado na cidade por sua honra e dignidade.

Ao chegar ao topo da montanha se deparou com uma casa cheia de luxo e uma grande porta de madeira. Não pensou duas vezes e empurrou a porta com força, foi então que ela se abriu e logo a sua frente sentada em uma cadeira feita de ouro e diamante encontrava-se a bruxa.

Eros foi se aproximando com olhar sempre atento, pois sabia que estava em um lugar pouco amigável. Ao chegar uns 10m da bruxa ela diz:

- O que veio fazer aqui tão distante da sua cidade jovem ousado?
- Vim conhecer a tão famosa bruxa, cuja fama é de sumir com os homens que a visitam.
- Se é essa fama que possuo o que te fez vir aqui? Não tem medo que eu te faça sumir como fiz com os outros?
- Estou aqui pelo que dizem que você é capaz de fazer. Quero conhecer mais sobre a sexualidade das mulheres.
- Muito bem meu jovem. Se é isso que você quer é isso que terá ! Você sabe que possuo apenas 1 regra e partir do momento que aceitar conhecê-la você não poderá mais sair ileso até que você a cumpra em sua plenitude.
- Entendo perfeitamente isso. Estou disposto a qualquer sacrifício.

Ao terminar de falar a grande porta de madeira se fecha batendo fortemente contra a parede.

- Muito bem jovem ousado. A partir de agora você fará tudo que eu mandar sem hesitar, caso contrário você será mais um desaparecido. E tem mais uma coisa, você precisa me fazer gozar como eu nunca gozei antes.

Com sua varinha mágica a bruxa traz Eros para bem perto dela e o faz ficar de joelhos. Também com a mágica da varinha troca de roupa, vestindo apenas um vestido de seda preto, sandália de salto alto, uma calcinha de renda preta, unhas pintadas de vermelho, olhos bem delineados, batom suave e possuia no seu braço esquerdo uma pulseira em formato de cobra.

A bruxa diz para Eros com uma voz firme e um olhar penetrante:

- O que você está esperando venha beijar meus pés.

A bruxa abre as pernas mostrando sua calcinha e estica seus pés para serem beijados por Eros. Eros não apreciava muito essa idéia, pois nunca tinha sido submisso a uma mulher antes. A bruxa sabia disso e procurava provocá-lo ao máximo.

Eros começou a beijar seus pés passando sua língua nos seus dedos, no calcanhar e conforme beijava, tirava a sandália deixando os delicados pés da bruxa livres para serem totalmente explorados.

Ao terminar de beijar um dos pés Eros foi para o outro, só que dessa vez olhou diretamente nos olhos da bruxa, massageou a planta do pé é lambeu seus dedos, foi lambendo, beijando até chegar perto das suas pernas. Eros via o rosto de prazer da bruxa, sabia que ela estava gostando de ser cuidadosamente explorada.

Num ato subto a bruxa o empurrou com os pés, que caiu sentado no chão. A bruxa olhou para ele pisando levemente descalça entre suas pernas e disse:

- Muito bom para o início. Vamos ver no que você é capaz de fazer.

A bruxa usando novamente sua varinha mágica os levou para um quarto com uma cama enorme, iluminada a luz de velas, vinho e algemas.

A bruxa estava na beirada da cama com as pernas abertas olhando para Eros. A bruxa se serviu com uma taça de vinho, mergulhou um dos dedos no vinho e o lambeu.

- Eros esse vinho está um delícia ! Por que não vem provar comigo?

Eros andou até a bruxa até que ela o parou pondo um dos seus pés entre suas pernas.

- Não tão rápido jovem ousado. Eu bebo na taça, mas você vai beber aqui.

A bruxa apontou para sua calcinha levantou um pouco o vestido e jogou vinho sobre ela, dexando-a toda molhada com o sabor ácido de um belo vinho tinto.

Eros então abriu mais as pernas dela se aproximou da sua calcinha e sentiu a temperatura do seu corpo aumentar. Começou a sentir o cheiro do vinho e o perfume da sua pele. Sem exitar Eros lambeu cada pedaço daquela calcinha. Ele colocava a língua como se quisesse furá-la, lambia a virilha em busca dos lábios, foi então que ele começou a querer explorar o corpo da bruxa com as mãos, queria apertar sua bunda, afastar sua calcinha, mas a bruxa rapidamente recuou e disse:

- Sua ousadia é grande meu jovem. Eu disse que era apenas para beber o vinho e não para usar as mãos. Você agora vai ter que aprender uma lição !

A bruxa com a sua varinha mágica derrubou-o na cama e algemou Eros com as mãos para trás deixando-o imobilizado. A bruxa com um sorriso malicioso abriu suas pernas e ficou em pé sobre sua boca e disse:

- Agora você vai ver como é que se faz para beber vinho.

A bruxa pegou novamente a taça e jogou sobre sua calcinha, deixando as gotas cairem sobre a boca de Eros. Ele as bebia, afinal não tinha outra escolha a não ser fazer o que ela queria. A bruxa então se ajoelhou em sua boca fazendo com que ele bebesse o vinho usando apenas a língua. Eros lambia com vontade toda sua extensão como se quisesse secá-la, ele desejava que aquela calcinha desaparecesse e que pudesse finalmente sentir o real o gosto daquela bruxa dominadora.

A bruxa empurrava a boca de Eros contra sua calcinha, ela estava adorando a sensação da sua língua quente no tecido molhado. Quando a bruxa achou que já era o bastante se levantou e olhou bem para os olhos de Eros e disse:

- Você quer minha buceta, não quer? Quer sentir meu gosto, meu cheiro...
- Só que você não vai ter, até eu achar que merece.

A bruxa tirou sua calcinha molhada, cheirou e disse:

- Adoro o meu cheiro misturado com vinho e a sua boca, acho que você quer sentir isso também.

A bruxa ficou de joelhos ao lado de Eros e o puxou pela nuca, deixando-o bem perto da sua buceta. Ela então pegou a calcinha e colocou na sua boca quase que sufocando, ele respirava apenas pelo nariz e olhava a buceta dela bem de perto.

- O que foi Eros. Gosta do que vê?

Ela olhando para ele abre a buceta e começa a se exibir, se masturbava lentamente, enfiava um dedo mostrando como estava molhada. Ela se excitava ao máximo em ver um homem como Eros naquela situação. A bruxa decide provoca-lo ainda mais, tira a calcinha da sua boca, enfia dois dentro na sua buceta e manda Eros chupar.

- E então Eros. O que você acha do meu gosto? Não era isso que você estava querendo?

Eros chupou seus dedos com vontade, mas ao mesmo tempo que fazia o que a bruxa mandava ele pensava numa forma de reverter esse jogo. A bruxa com ar de superior pegunta para ele:

- E então Eros você não tem nada a me dizer? Vai ficar calado o tempo todo?
- Lembre-se que você tem que me fazer gozar.

Eros então responde a pergunta:

- Eu sei que preciso fazer você gozar, mas eu conseguiria com muito mais facilidade se você soltasse minhas mãos.

A bruxa exita um pouco, mas faz o que Eros sugeriu e com um movimento da varinha soltou as algemas, deixando-o livre novamente.

- Lembre também que você tem que fazer o que eu mandar. Senão vai ser algemado novamente.

Eros concorda com a cabeça, espera a nova ordem, e continua pensando numa forma de roubar aquela varinha. Ele sabia que todo o poder da bruxa estava nela. E se ele conseguisse pegá-la o jogo seria outro.

A bruxa então deita-se na cama com as pernas abertas, abre seus lábios e ordena:

- Venha Eros mostre o que você é capaz de fazer com a sua boca. Dessa vez pode usar suas mãos. Vamos ver se você é tão bom como me parece.

Eros começa a beijar os pés da bruxa como havia feito no início, pois sabia que ela gostava disso. Tudo isso era um jogo ele tinha que apostar no que achava que era mais prazeroso para ela.

Ele beija cada pedaço dos seus pés sempre olhando para seus olhos,beija seus dedos, acaricia a planta do pé com as mãos, morde levemente o calcanhar, ele vai subindo com a boca beijando cada pedaço do seu corpo, com as mãos ele sobe até as suas coxas e depois desce novamente massageando suas pernas. Agora ele faz o mesmo com o outro pé, ele quer que ela sinta que está sendo desejada ao máximo, que ela confie nele nem que seja por um segundo e esqueça que está jogando.

Ele continua beijando sua pele, sobe até suas pernas, lambe com intensidade e morde levemente seu corpo. Ele sobe mais e vai chegando as suas coxas sempre olhando para seus olhos vendo sua reação, ele resolve ousar um pouco mais e subir com sua mão até seus seios. A bruxa então o assusta pegando sua mão e apertando-a com força, ele pensou que viriam novamente as algemas, mas a reação dela foi outra. Ela gemeu de prazer sentindo todo seu empenho em fazê-la gozar.

Se sentindo mais confiante Eros vai até sua virilha e começa a lambê-la, finalmente ele está perto de sentir o gosto tão desejado. Quando ele está perto de chegar na sua buceta a bruxa o empurra para baixo e diz:

- Você está muito vestido ! Precisa tirar essa roupa toda.

E com um rápido movimento ela o despe completamente, deixando nu um corpo forte e másculo.

Nesse momento ele percebe que precisa tirar a varinha das mãos dela de qualquer jeito, caso contrário, ele estará sempre submisso as suas vontades.

Já totalmente nu Eros se ajeita novamente entre as pernas da bruxa e começa finalmente a chupá-la. Ele abre seus lábios, passa a língua neles alternando entre lambidas delicadas e intensas (ele precisa descobrir como ela gosta), chupa o clitóris da bruxa ao mesmo tempo que enfia um dedo dentro dela. A bruxa começa a se contorcer puxando sua boca em direção a buceta, ela gosta de mais intensidade ela quer sentir a língua de Eros dentro dela.

Ele percebe que ela está se deixando levar e tenta colocá-la de lado, mas ela não aceita.

- O que pensa que está fazendo?
- Estou fazendo o que eu prometi. Vou chupá-la e fazer você gozar. Mas para isso você tem que me deixar fazer o que acho que possa te dar prazer.
- Você esqueceu que você só vai fazer o que eu mandar? E eu não mandei você me virar de lado.
- Você tem toda razão. Você não mandou, mas bem que poderia mandar, pois tenho certeza que você vai adorar ser chupada do jeito que eu vou fazer.

Ela pensa um pouco e deixa Eros fazer o que deseja. Eros sem perder tempo a coloca de lado com as pernas bem separadas deixando sua buceta e seu cuzinho totalmente vulneráveis. Eros então começa a chupar sua buceta de ladinho abrindo seus lábios com a língua ao mesmo tempo que lambia seu cuzinho.

Ele queria explorar cada pedaço do corpo da bruxa, queria que ela se desligasse de tudo e pensasse apenas na língua que percorria seu corpo. Juntamente com o movimento da língua Eros apertava sua bunda com uma das mãos e a outra masturbava a bruxa. Ela se contorcia sentido o seu toque e a língua no seu corpo, Eros percebendo que ela gostava de intensidade foi subindo com a boca pelas suas costas enfiando fundo um dedo dentro da sua buceta, mordia suas costas e com seu peso foi colocando-a de bruços e sem perceber a bruxa soltou sua varinha enquanto buscava apertar os lençois.

Eros viu que a varinha estava solta e não perdeu tempo em ir pegá-la, mas ele não acabou com o jogo naquele momento ele quis continuar. Eros chegou bem perto do seu ouvido, puxou forte seus cabelos e disse:

- O que você quer que eu faça com você agora?
- Quero que você pare de puxar meu cabelo antes que você se arrependa.
- E se eu não quiser soltar? E se eu quiser puxar com mais força?

Ela confiante tentou pegar a varinha, mas para seu desespero não achou. Então foi quando Eros disse:

- É isso que você está procurando sua bruxa dominadora? Que tal a gente inverter um pouco o jogo.
- Eu sei que você sem sua varinha não passa de uma mulher normal.
- Pode ficar tranquila que eu vou fazer você gozar sim conforme sua regras, mas agora vai ser do meu jeito !

Sem nunca ter se visto numa situação como essa, fez uma expressão de desespero enquanto ao mesmo tempo Eros puxava seus cabelos e enfiava fundo seu pau dentro dela...

Continuação...

7 comentários:

  1. Ah.... Safado! Sempre surpreendendo! ;)

    ResponderExcluir
  2. Adoreeeeeiiii!!! Mas quero a continuação pra ontem!! Essa bruxa dominada é tudo de bom!!

    Bruxinha as avessas essa! Tô apaixonada pelo Eros.

    ResponderExcluir
  3. De dominadora para submissa, tentar coisa nova é sempre muito bom!

    ResponderExcluir
  4. Ah! Cadê a continuação? Eu adorei.
    Aposto que ela vai adorar ser submissa, toda mulher dominadora demais gosta de ser mandada! Recomendo te mt.Bjus.
    Indolência ~

    ResponderExcluir
  5. Gostoso de ler, deve ser uma delícia ter.

    ResponderExcluir
  6. Simplesmente adorável...
    Vou indicar a leitura em meu blog, na lista de indicações que faço semanal dos blogs ou textos que me deram mais tesão na semana, e sem dúvida este foi um.

    Beijos suculentos!

    ResponderExcluir
  7. Que delícia!!
    Não conhecia aqui vim pela indicação do blog Intimas Intençoes.

    Vou ficando!
    Beijos meus

    ResponderExcluir