Nossos parceiros do prazer


Fidelidade...hummm...assunto polêmico. Traição...hummm...excitante. Algo assustador. Assunto quente. Relacionamento? Que relacionamento...

Como assim que relacionamento?
Resposta simples. Temos diversos relacionamentos: o amoroso, o de amizade, o familiar e até o relacionamento "com o espelho" (ou você nunca olhou no espelho em um dia e se achou sensacional e no outro uma ameba? A famosa auto estima !). Esse último, na minha opinião, é o mais importante de todos.

A intenção do texto é abordar um pensamento sobre a fidelidade levando em consideração apenas dois tipos de relacionamento: o amoroso e "com o espelho".

Tanto um quanto outro são bombardeados de perguntas que não possuem respostas racionais. Esse fato é intensificado quando o assunto é traição, fidelidade e lealdade. Esses assuntos deixam qualquer um maluco, tiram o sono, adoecem, maltratam, enfim, são assuntos delicados com forte interpretação pessoal. Mas vamos as perguntas, aposto que você já teve na sua mente algumas delas...
       Será que ela(e) me traiu?
       Já faz 2 meses que não transamos, será que tem outra pessoa na jogada?
       Aquele cara no trabalho não para de dar em cima de mim e eu há 3 meses sem sexo. Resisto ou não resisto?
       O sexo não é mais como antes, será que não dou mais tesão?
       Me arrumo toda, faço o cabelo, unha, maquiagem e ele nem repara. Ele não me quer mais?
       Que vontade de transar com a Ana, mas não posso, devo ser fiel a minha mulher. Será?
       Compro presente, sou atencioso como ela sempre pediu e no final ela nem liga pra mim, diz que está cansada e que quer ir dormir. Ela não tem mais interesse em mim?
       O pinto dele não sobe já faz 6 meses e ele me diz que é stress. Acho que o problema sou eu?!
       Se nos separarmos eu vou ser renegado(a) pela sociedade. Devo arriscar ?
       Estou com ele(a), mas não sinto mais nada, perdi o tesão. O que eu faço?
       Toda vez que ele me toca eu fico com um certo repúdio. O que eu faço?

As perguntas são inúmeras e as respostas também, afinal cada pergunta pode estar situada em um contexto diferente. É muito importante ressaltar que não há nenhuma resposta certa para qualquer uma delas. Tudo vai variar de acordo com a forma como o seu relacionamento "com o espelho" vai te direcionar a uma decisão ou conclusão.

Vamos contextualizar:

Contexto:
Um casal vive há 10 anos junto, no início, o sexo era intenso, gostoso, algo fantástico. Depois de 7 anos o sexo começou a esfriar de tal forma que uma vez por mês estava de ótimo tamanho. O problema é que nenhum dos dois estava satisfeito, precisavam de mais sexo. Ambos eram fiéis e leais, nunca ousaram trair fisicamente, nem em pensamento. O problema maior começou aos 8,5 anos quando para conseguir fazer sexo a mulher tinha que pensar em outra pessoa. Mesmo sem nunca tê-lo traído fisicamente, não conseguia se excitar imaginando e nem sentindo o próprio marido. Aos 10 anos os dois, apesar de quererem ficar juntos e ainda serem "fiéis" (pois em pensamento não eram mais), não conseguiam mais transar de uma forma prazerosa, estava mecânico, frio...

O que fazer? Trair ou ser fiel? Ser fiel a quem? Ao relacionamento amoroso ou ao relacionamento "com o espelho"? O que vai evitar sofrimentos desnecessários?

Vamos complicar mais ainda o contexto:
O casal possui 2 filhos um de 8 e outro de 5.

Xiii...agora a separação ou a traição afeta mais gente, e gente importante !

Vamos facilitar um pouco:
O casal não tem filhos e ele bate na mulher.

Ahhh....agora ficou fácil.

Vamos facilitar mais um pouco:
O casal não tem filhos e tem um relacionamento aberto e estão dispostos a tentar novas experiências ! Tudo para esquentar o relacionamento.

Ahhh....agora ficou mais fácil ainda concluir.

Aposto que apesar de dizer que está mais fácil, a ideia de um relacionamento aberto, para muitas pessoas, é inviável, ou seja, o fácil nessas situações é muito relativo.

Enfim...os contextos são inúmeros, assim como as respostas. O mais importante de tudo na fidelidade é que a fidelidade seja espontânea e prazerosa. Ser fiel por motivos sociais pode ser prejudicial tanto para o homem quanto para a mulher, antes um briga intensa e um sexo intenso a diversas briguinhas com um sexo meia boca no final. Sexo intenso, é um sexo 100% focado na pessoa e no momento, fisicamente e em pensamento. Não adianta transar com a pessoa imaginando estar transando com outra, na minha opinião, essa é uma traição pior que a física por que é uma traição constante e é justamente em um dos momentos mais íntimos e prazerosos do casal. Se nem nos momentos de prazer é possível estar focado...então o relacionamento está perto do fim....

Nesse caso, quem sabe uma traição esquente as coisas, seja algo necessário para esquentar, reativar o relacionamento ou terminar com algo que já está terminado, mas ninguém quer assumir....

Não sou a favor da traição, mas sou a favor de ter um relacionamento "com o espelho" sempre em dia. Quando o espelho quebra ou fica torto está na hora de consertar....

Abaixo está parte do filme Unfaithful - Infidelidade. É um ótimo filme !


Tenho um relacionamento. Fidelidade ou traição?


Fidelidade...hummm...assunto polêmico. Traição...hummm...excitante. Algo assustador. Assunto quente. Relacionamento? Que relacionamento...

Como assim que relacionamento?
Resposta simples. Temos diversos relacionamentos: o amoroso, o de amizade, o familiar e até o relacionamento "com o espelho" (ou você nunca olhou no espelho em um dia e se achou sensacional e no outro uma ameba? A famosa auto estima !). Esse último, na minha opinião, é o mais importante de todos.

A intenção do texto é abordar um pensamento sobre a fidelidade levando em consideração apenas dois tipos de relacionamento: o amoroso e "com o espelho".

Tanto um quanto outro são bombardeados de perguntas que não possuem respostas racionais. Esse fato é intensificado quando o assunto é traição, fidelidade e lealdade. Esses assuntos deixam qualquer um maluco, tiram o sono, adoecem, maltratam, enfim, são assuntos delicados com forte interpretação pessoal. Mas vamos as perguntas, aposto que você já teve na sua mente algumas delas...
       Será que ela(e) me traiu?
       Já faz 2 meses que não transamos, será que tem outra pessoa na jogada?
       Aquele cara no trabalho não para de dar em cima de mim e eu há 3 meses sem sexo. Resisto ou não resisto?
       O sexo não é mais como antes, será que não dou mais tesão?
       Me arrumo toda, faço o cabelo, unha, maquiagem e ele nem repara. Ele não me quer mais?
       Que vontade de transar com a Ana, mas não posso, devo ser fiel a minha mulher. Será?
       Compro presente, sou atencioso como ela sempre pediu e no final ela nem liga pra mim, diz que está cansada e que quer ir dormir. Ela não tem mais interesse em mim?
       O pinto dele não sobe já faz 6 meses e ele me diz que é stress. Acho que o problema sou eu?!
       Se nos separarmos eu vou ser renegado(a) pela sociedade. Devo arriscar ?
       Estou com ele(a), mas não sinto mais nada, perdi o tesão. O que eu faço?
       Toda vez que ele me toca eu fico com um certo repúdio. O que eu faço?

As perguntas são inúmeras e as respostas também, afinal cada pergunta pode estar situada em um contexto diferente. É muito importante ressaltar que não há nenhuma resposta certa para qualquer uma delas. Tudo vai variar de acordo com a forma como o seu relacionamento "com o espelho" vai te direcionar a uma decisão ou conclusão.

Vamos contextualizar:

Contexto:
Um casal vive há 10 anos junto, no início, o sexo era intenso, gostoso, algo fantástico. Depois de 7 anos o sexo começou a esfriar de tal forma que uma vez por mês estava de ótimo tamanho. O problema é que nenhum dos dois estava satisfeito, precisavam de mais sexo. Ambos eram fiéis e leais, nunca ousaram trair fisicamente, nem em pensamento. O problema maior começou aos 8,5 anos quando para conseguir fazer sexo a mulher tinha que pensar em outra pessoa. Mesmo sem nunca tê-lo traído fisicamente, não conseguia se excitar imaginando e nem sentindo o próprio marido. Aos 10 anos os dois, apesar de quererem ficar juntos e ainda serem "fiéis" (pois em pensamento não eram mais), não conseguiam mais transar de uma forma prazerosa, estava mecânico, frio...

O que fazer? Trair ou ser fiel? Ser fiel a quem? Ao relacionamento amoroso ou ao relacionamento "com o espelho"? O que vai evitar sofrimentos desnecessários?

Vamos complicar mais ainda o contexto:
O casal possui 2 filhos um de 8 e outro de 5.

Xiii...agora a separação ou a traição afeta mais gente, e gente importante !

Vamos facilitar um pouco:
O casal não tem filhos e ele bate na mulher.

Ahhh....agora ficou fácil.

Vamos facilitar mais um pouco:
O casal não tem filhos e tem um relacionamento aberto e estão dispostos a tentar novas experiências ! Tudo para esquentar o relacionamento.

Ahhh....agora ficou mais fácil ainda concluir.

Aposto que apesar de dizer que está mais fácil, a ideia de um relacionamento aberto, para muitas pessoas, é inviável, ou seja, o fácil nessas situações é muito relativo.

Enfim...os contextos são inúmeros, assim como as respostas. O mais importante de tudo na fidelidade é que a fidelidade seja espontânea e prazerosa. Ser fiel por motivos sociais pode ser prejudicial tanto para o homem quanto para a mulher, antes um briga intensa e um sexo intenso a diversas briguinhas com um sexo meia boca no final. Sexo intenso, é um sexo 100% focado na pessoa e no momento, fisicamente e em pensamento. Não adianta transar com a pessoa imaginando estar transando com outra, na minha opinião, essa é uma traição pior que a física por que é uma traição constante e é justamente em um dos momentos mais íntimos e prazerosos do casal. Se nem nos momentos de prazer é possível estar focado...então o relacionamento está perto do fim....

Nesse caso, quem sabe uma traição esquente as coisas, seja algo necessário para esquentar, reativar o relacionamento ou terminar com algo que já está terminado, mas ninguém quer assumir....

Não sou a favor da traição, mas sou a favor de ter um relacionamento "com o espelho" sempre em dia. Quando o espelho quebra ou fica torto está na hora de consertar....

Abaixo está parte do filme Unfaithful - Infidelidade. É um ótimo filme !


8 comentários:

  1. Gostei do texto (salvo pequenos errinhos). Eu mesma já fiz sexo pensando em outra pessoa. Não é a melhor coisa do mundo. P/ mim foi o termômetro que indicou que aquela relação já era. Sou fiel a mim e a minhas ideias. Por isso, hoje optei por ser solteira.

    ResponderExcluir
  2. Hmmm, gostei do texto, danadinho. De vez em quando ver você falando de assuntos sérios chega a ser excitante. Interessante a linha de pensamento! Relacionamentos contruídos apenas na fachada por medo de tomar uma atitude que possa mexer com a zona de conforto são os que mais geram mágoas no final e onde mais se perde o respeito, que é tão importante no relacionamento como pessoa, não apenas como parceiros.
    Enfim, eu opto pela fidelidade. Quando se pensa em trair, é porque algo está errado e é melhor sentar e conversar.

    Beijos pra você, Diabinho! =*

    ResponderExcluir
  3. Falar sobre relacionamento é sempre um assunto muito polêmico e não é de facil abordagem. E quando se fala de fidelidade acredito ser ainda mais complicado. Também não sou a favor da traição. Mas as razões para a infidelidade conjugal são tantas e tão variadas como as pessoas envolvidas. os relacionamentos fora do casamento nem sempre são um sinal de um casamento ruim.

    ResponderExcluir
  4. Oi ta a fim de fazer uma parceria ,dai coloco teu banner no meu blog,e vc no teu..
    http://www.lesadaeapimentada.blogspot.com/ meu blog
    bj

    ResponderExcluir
  5. Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade.
    Carlos Drummond de Andrade
    Bjssss
    Feliz Natal Procê
    Leo.SeximaginariuM

    ResponderExcluir
  6. Olá, blogueira!
    A melhor prevenção é a informação e usando a camisinha, todos curtem melhor a vida e sem preocupação. Homens e mulheres, de qualquer idade, orientação sexual ou classe social são vulneráveis ao vírus HIV e a outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Ajude a divulgar informações e conscientizar mais pessoas sobre as formas de contágio e prevenção de DSTs. A camisinha é segura e a maior aliada nesse combate. Ela é distribuída gratuitamente na rede pública de saúde.
    Curta a vida. Sexo, só se for com camisinha, senão não dá! Com amor, paixão ou só sexo mesmo. Use sempre!
    Para mais informações: http://www.camisinhaeuvou.com.br/, http://www.aids.gov.br ou http://www.formspring.me/minsaude
    Siga-nos no Twitter: http://twitter.com/minsaude
    Atenciosamente,
    Ministério da Saúde.

    ResponderExcluir
  7. Ao longo dos anos eu aprendi que um relacionamento acaba não porque um ou outro traiu, mas sim porque ambos pararam de conversar um com o outro, e o conversar neste caso implica tudo, desde um bom dia com um bj carinhoso até aquela conversa mais picante ao pé do ouvido antes de dormir. O diálogo aberto sem frescuras é primordial pra manter o relacionamento sempre aceso e até pra que ambos saibam exatamente o que esperam e querem um do outro. Quando não há mais conversa não há mais o que fazer. Adorei o texto e a forma como vc o conduziu. Se não se importar, vou voltar pra ler mais. Um bj carinhoso.

    ResponderExcluir
  8. O que é trair? Ficar na net sensualizando horrores com meio mundo, não me parece a forma de fidelidade mais bacana e, no entanto, um monte de gente acha que isso não é trair.

    Tive um namorado que dizia, cachorramente que: - Crer em fidelidade é como crer em deus, a gente ouve falar, mas é preciso ter fé pra acreditar que existe mesmo. Provavelmente este, foi o único namorado fiel que eu tive...hehehe.

    Também penso que fielidade é pessoal e intransferível e nada imposta. Nunca traí uma pessoa que estivesse num relacionamento comigo, não por pudores ou coisas assim, apenas pq a minha tara mais pessoal de consumo é ser inteira de um único homem. simples assim.

    Tenho sentimentos contraditórios a respeito do assunto quando ocorre fora das minhas relações, de toda forma, achei o texto muito bem escrito e muitíssimo interessante.

    ResponderExcluir